Olá, meus amores!

Quarta-feira é dia de listinha aqui no blog. Então, hoje eu quero falar de algumas coisas que eu reparei no meu pequeno tempo de blogueira, e que é bom saber se tiver vontade de entrar nesse ramo.

1. Você precisa gostar MUITO de fazer isso: 
A gente escuta isso o tempo todo, e parece que é só uma forma de valorizar esse trabalho, mostrar para o mundo que não pensamos na grana e que sacrificamos todo o tempo vago para produzir conteúdo. Essas coisas realmente acontecem, mas o motivo de você precisar gostar é que, caso o contrário, a chance de desistência é enorme. Esta ideia parece muito improvável no começo, mas com críticas chegando, cansaço pela quantidade de trabalho, diminuição do tempo vago, nenhuma remuneração e demora por resultados satisfatórios, acredite, o mundo encantado dos blogs começa a ser questionado.

Eu sempre aconselho às pessoas que perguntam sobre o que precisa para começar: NÃO GASTE MUITO! Você até pode ter condições de ter a melhor câmera do mercado; o problema de comprá-la estritamente para blogar é que você pode simplesmente odiar fazer isso. E aí, faz o que com o dinheiro investido? Também não é bom criar uma expectativa enorme em cima disso. Apenas comece, com o que tem, e veja se gosta do que faz.

Tá, e como eu sei se gosto o suficiente para trabalhar com isso? Só vai saber tentando. E o momento da descoberta é quando tudo estiver ruim, você pensar em desistir, e chegar na conclusão de que ama tanto isso que não seria capaz de parar.


2. Vai demorar pra ser sua fonte de renda principal:
Eu confesso que eu era otimista demais em relação ao tempo que demoraria pra este fosse o meu "emprego" mesmo. E, sinceramente, isto é um ponto que faz você enlouquecer às vezes. É muito linda a história de "você não pode pensar na grana, faça apenas por amor". Sempre me senti culpada por esperar pelo dia em que receberia algo. Cara, vamos combinar: no seu emprego, cada hora de trabalho sua é paga, tem um valor; a prova disso é que se você precisar trabalhar horas a mais, você recebe um pagamento extra. Então, se você trabalha que nem uma condenada os 7 dias da semana, de madrugada, sem férias, doente ou não, por que seria errado pensar no seu pagamento?
Então, vamos começar concordando que não há nenhum problema em você começar a trabalhar com isso e pensar na sua remuneração. Porém, o que você precisa absorver mesmo é que isso vai demorar. Demorar muito. E aí sim, vale a pena repetir o mantra: você não pode pensar na grana, faça apenas por amor. Caso o contrário, nesta fase inicial, você vai se frustrar.


3. Coloque metas, e as cumpra a todo custo:
É muito feio quando a gente promete uma coisa e não cumpre. Durante um tempo, eu preferia não prometer nada. O problema disto é que, a não ser que você tenha uma força de vontade absurda, a quantidade de trabalho que você produzirá será muito pequena. Você não tem parâmetros, nem os seus leitores/espectadores. Avalie muito bem o que você terá condições de cumprir e prometa. Assim, você vai se cobrar, e as pessoas que te acompanham serão mais fiéis e mais frequentes.
4. Seu trabalho é seu currículo:
Por mais que no começo a gente ache que ninguém presta atenção na gente, acredite, tudo que você faz (ou não faz) é analisado pelo público. Você quer que esse seja o seu emprego? Aja como se ele já fosse, mesmo que você tenha mil outras responsabilidades na sua vida.

Seu público é seu chefe. Se você promete que tal dia e tal horário vai ter um vídeo novo no seu canal, isto precisa ser cumprido. Se você não entrega o que tinha que ser feito, é como se você faltasse no seu trabalho. E seu chefe perde a confiança em você. O que você acharia de ter um funcionário, e ele faltar no trabalho? Mais: e se isso acontece com frequência? Eu, pelo menos, iria querer demitir esse funcionário, pois ele não honra o compromisso que se propôs a cumprir. No caso do público, ele desiste de você.

Esse é só um exemplo, mas você verá que se aplica a tudo. Você entrega trabalhos mal acabados ao seu chefe? Você copia trabalhos de outras pessoas e diz que você fez? 

Outro detalhe: a principal forma de receber com este tipo de trabalho são as publicidades. Cada empresa que te chama para um trabalho, é como uma nova entrevista de emprego. É por isso que falo que seu trabalho é seu currículo: a empresa vai olhar como você faz seu trabalho, se entrega conteúdos bem feitos, se cumpre com os compromissos assumidos, etc.. 


5. Empodere-se:
Falei sobre isso há poucos dias aqui. Críticas vão chegar, de todos os lados. Aí, é bem importante que você se valorize o suficiente para não absorver a negatividade que vão lançar em você. Acredite que o seu trabalho é incrível. Lembre que só você sabe do que passa, e ninguém tem direito de falar mal de você. O que as pessoas pensam sobre você não é problema seu, é delas. Veja se tem algo de útil a se tirar da crítica, pois também não somos perfeitos e podemos sempre aprender algo. Só saiba que você não vai agradar todo mundo, então faça o que agrada você.


6. Não leve tudo tão a sério
Todas as dicas até agora foram meio rígidas, e é bom falar: seja leve. Em tudo. Não se cobre demais. Faça o que for possível, e se não for, tudo bem, vamos trabalhar para corrigir. Até o melhor profissional já fez um trabalho que não ficou bom, ou já se atrasou pra chegar no emprego. Seja rigoroso(a), mas leve tudo com bom humor.


7. Seja você
Mais um clichê? Sim. Esse é muito importante.
Principalmente no início, a gente busca muita referência em trabalhos de pessoas que gostamos, e é super normal. Com o passar do tempo, é importante que você se ache, que você dê a sua cara ao que você faz. Faça o que você gosta. Imagina quantos blogs e quantos canais novos surgem todos os dias; se todo mundo fizer só uma coisa, ninguém se destaca, e ninguém cresce.



Desculpa o textão, gente! Disse algumas coisas que achei importantes.
Um beijão, e até mais :)


5 Comentários